991 Views |  1

Snatched com Frederico Ramalho

Frederico Ramalho é recém licenciado em Marketing e Publicidade no IADE, gosta de viver nos limiares da vida e é profissional em fazer as melhores mixórdias de style que a Parede (sítio onde vive) alguma vez conheceu. Este é a 4ª edição de Statched na Magnética Magazine. Take a look:





Como defines o teu estilo?

O meu estilo é uma mixórdia. É misturar tudo e ver no que dá. Se der merda estás bem.

Onde costumas comprar a tua roupa?

Em lojas de descontos, tipo clearance stores ou discount stores físicas e online, outras coisinhas no e-bay tipo sapatos. Depois herdo algumas roupas de amigos meus. Mas hoje em dia mais vale comprar nas discount stores porque é roupa nova e mais barata.


P


Qual é a música/artista que mais tens ouvido ultimamente?

Epa não sei. O estilo que estou a ouvir agora é hardtek. Por exemplo VeNeNo.

Se pudesses viver em qualquer zona de Lisboa…

Em Campo de Ourique. – minha família do lado da minha mãe é de Campo de Ourique e o meu bisavô tinha uma quinta lá, depois vendeu e hoje em dia aquilo são uma data de prédios em frente ao jardim de Campo de Ourique e o meu avô ainda tem lá um prédio e como eu não quero gastar dinheiro vou ver se aproveito o andar do meu avô. (Tudo em prol de não gastar dinheiro portanto, é roupa, é casa – economizar ao máximo).

Num dia de Sol como este e sem nada para fazer, qual seria a tua sugestão?

Ir para a praia. Para as Avencas, pró topless.

E ao final do dia, onde levarias a tua melhor companhia?

Não sei o nome, porque aquilo não tem um nome. Mas levava para a praia de pescadores perto do Guincho só de seixos. E depois ia lá para cima de uma rocha que eu gosto muito que tem a forma de um banco e sentava-me lá com a pessoa que eu gosto muito a observar o pôr-do-sol.


Processed with VSCOcam with c1 preset


Para ti, qual é o melhor sítio para sair à noite em Lisboa?

Lisboa é uma treta  para sair à noite. Quando saio gosto de ouvir techno e transe. Mas não há discotecas para transe. Se calhar vou para casa dos meus amigos, é onde há o melhor som.

Se tivesses de viver sem tecnologia durante um fim-de-semana, o que farias?

Vivia sem tecnologia. Não é algo que me incomode, nada, zero! Posso viver com as cabras. (risos)


P


E se neste momento tivesses todo o dinheiro do mundo, o que farias?

Ia viajar. Fazer várias coisas, a minha vida pode seguir vários extremos, tanto subir os Himalaias, como andar de Ferrari no Mónaco com o Gonçalo, como ir de pé descalço para a Índia, como a seguir ir para Las Vegas. Extremos, eu gosto de extremos. Gosto de aproveitar tudo o que a vida me dá.


Processed with VSCOcam with c1 preset


Texto: Isabela Gonçalves
Fotografia e Vídeo: Beatriz Pereira