1028 Views |  Like

Queer Lisboa 20 e Queer Porto 2: “Ab Fab”, “Looking” e Derek Jarman

Sim, a primeira proposta de título para este texto era “A Programação do Queer está Absolutamente Fabulosa”. E a verdade é que está mesmo, independentemente do coup que é a estreia nacional do filme Absolutely Fabulous: The Movie, a adaptação cinematográfica da série de culto britânica que seguia a hilariante dupla Eddy (Jennifer Saunders, criadora da série) e Patsy Stone (Joanna Lumley), uma paródia mordaz, de um cinismo e humor negro brilhantes. Este filme fará a abertura do Queer Lisboa, no dia 16 de setembro, e o encerramento do Queer Porto, no dia 8 de outubro. Mas esta é apenas uma das novidades entusiasmantes, anunciadas na conferência de impresnsa de antevisão dos dois pólos do festival, pelo diretor artístico João Ferreira e o programador do Queer Lisboa Nuno Galopim.

Queer Lisboa 16 a 24 de setembro, no Cinema São Jorge e na Cinemateca Portuguesa

O festival – que assinala o vigésimo aniversário em Lisboa – apresentará uma das mais amplas e exaustivas retrospetivas, composta por 40 títulos entre longas e curtas-metragens, da obra fundamental do britânico Derek Jarman, do qual serão exibidas obras emblemáticas (como Edward II e The Last of England) mas, sobretudo, descobertas recentes, curtas restauradas em Super 8, um título inédito (um documentário sobre o grupo escocês Orange Juice), víideoclips de músicos como The Smiths, Pet Shop Boys e Patti Smith. Para contextualizar e pensar a cultura punk onde estava embebido, o pós-punk e o cinema experimental britânico, a obra de Jarman será colocada em diálogo com a de realizadores como John Maybury, John Scarlett-Davis e Cerith Wyn Evans. À propos destas questões, haverá um debate na Cinemateca Portuguesa – que será o local de exibição desta retrospetiva – com a presença de figuras basilares ligadas à filmografia de Derek Jarman: James Mackay (produtor), Keith Collins (antigo parceiro e ator em alguns dos seus filmes), John Scarlett-Davis (um nome central do cinema experimental britânico na década de 1980) e William Fowler (programador do BFI).


Edward II

Outra apresentação imperdível, também em estreia nacional, é Looking: The Movie – uma apresentação em parceria com a TV Cine & Séries – realizado por Andrew Haigh (cujo filme Weekend já estreou no Queer Lisboa). Este filme, produzido pelo canal de cabo norte-americano HBO serve como capítulo final à série televisiva com o mesmo nome, na ausência de uma cancelada terceira temporada, apesar de a série se ter tornado um fenómeno viral, com fãs fervorosos.

Esta comédia dramática (ou drama cómico?) segue um grupo de amigos gay que navega a vida em São Francisco.

Apesar destes filmes terem a sua génese em séries televisivas, João Ferreira garante que valem por si mesmos, não dependendo do conhecimento prévio das séries para uma apreciação dos mesmos. Nuno Galopim remata que “felizmente há boa televisão, para gerar bom cinema”.


Li Po Lounge, SF

Queer Porto – 5 a 9 de outubro, no Teatro Municipal Rivoli, malavoadora.porto, Maus Hábitos e Wrong Weather

A segunda edição oficial do Queer Porto conta com uma fantástica retrospetiva do “New Queer Cinema”, inspirada no artigo essencial da ensaísta norte-americana B. Ruby Rich, na Sight & Sound, que identifica novas qualidades nas expressões cinematográficas da cultura queer, na década de 1990, que tornavam as suas personagens “tão más como todas as outras, tão boas como todas as outras, tão cheias de defeitos e qualidades como todas as outras”, como diz Nuno Galopim. A retrospetiva deste movimento, que revolucionou o panorama do cinema independente americano, inclui títulos como Mala Noche (1985), a primeira longa-metragem do genial Gus Van Sant, The Living End (1992) de Gregg Araki (realizador de filmes como Mysterious Skin e White Bird in a Blizzard), Poison (1991) de Todd Haynes, que realizou recentemente Carol (com Cate Blanchett e Rooney Mara), Go Fish (1994) de Rose Troche, The Watermelon Woman (1996), de Cheryl Dunye, e Swoon (1991) de Tom Kalin. Este último realizador estará presente nesta edição do festival portuense para realizar uma master class, na malavoadora.porto, que recairá sobre temas de ordem estética e narrativa do cinema queer, bem como a sua evolução.


mala_noche_gus_van_sant

Para mais informações, vejam o site. Os bilhetes estarão à venda a partir de 7 de setembro.

Texto: Ana Cabral Martins
Fotografia: Direitos Reservados