609 Visualizações |  Gosto

O Pintassilgo

Donna Tartt
São mais de 700 páginas aquelas que relatam o novo Prémio Pulitzer da Literatura.
O Pintassilgo conseguiu arrecadar a Stephen King um elogio enquanto “romance literário e inteligente, que fala tanto ao coração quanto à mente”. Mas nem só de elogios se fez esta obra.
Jornalistas e críticos de todo mundo desdobraram-se em elogios mas também em críticas veladas. Muitos apontam-no como ‘juvenil’, outros como ‘demasiado longo’.
“A gestação de um romance é misteriosa e difícil de explicar, até mesmo para mim, embora possa dizer que a história quase sempre é precedida pela escolha do lugar, pelo cenário da trama”, comentou Donna Tartt em entrevista a uma publicação. A autora já queria ter escrito algo sobre Amesterdão há mais de 20 anos e é exactamente nessa cidade que começa o livro, onde um adulto Theo Decker se esconde. Mas o cerne de toda a história está em Nova Iorque, onde 14 anos antes, Theo perdeu a mãe numa explosão no Metropolitan Museum. “Eu também estava interessada em retratar o lado negro de Nova York. Muitos elementos diferentes foram combinados de forma inesperada”, comentou ainda Tartt. Theo vai então morar com um amigo rico, mas luta para adaptar-se à sua nova vida. É nesta fase difícil que o personagem principal começa a obcecar com uma misteriosa pintura que a mãe lhe havia mostrado no dia em que morreu.
Um encadear de acasos e infortúnios são narrados na história do adolescente/adulto Theo Decker. Sejam drogas, perseguições ou o mercado negro da arte, neste livro não falta emoção e aventura. De realçar também a importância que a autora dá às personagens secundárias, seja em flashbacks, recordações ou apontamentos.
A cada década que passa, Donna Tartt oferece-nos uma obra de referência. Concluído ao fim de 11 anos, O Pintassilgo, além de Prémio Pulitzer da Literatura, é bestseller das maiores e melhores publicações mundiais, já vendeu mais de dois milhões de exemplares, é traduzido em 28 línguas e terá uma adaptação ao cinema já na calha da Warner Bros.

presenca.pt

Texto: Luísa de Carvalho Pereira
Imagens: Direitos Reservados