239 Visualizações |  1

“Envia-me Cartas”: o livro

Foi no LX Factory que vimos pela primeira vez a exposição “Envia-me Cartas” de Raul Reis, um registo fotográfico das antigas portas dos prédios com caixas de correio, à espera de qualquer tipo de atenção nos dias de hoje e correspondência.
Cada pessoa teve a oportunidade de escolher uma fotografia – uma porta – e escrever uma carta original, que se encontram agora no site do projeto.

No próximo dia 5 de agosto o projeto irá apresentar-se novamente ao público, numa exposição na Casa da Cultura de Setúbal, dia que é marcado também pelo lançamento do livro homónimo, editado pela NO FRAME – Creative Publishing. A Magnética falou com o Raul sobre o projeto:


Exposição-Envia-meCartas-RaulReis-Press


Como surgiu o projeto Envia-me Cartas?

O projeto Envia-me Cartas faz um registo fotográfico da beleza encontrada nas portas das casas que ainda exibem caixas de correio inscritas com a palavra “CARTAS”.

No entanto o projeto Envia-me Cartas não se fica pela edição. Para dar ainda mais corpo ao projeto e uma maior interatividade criei um site onde as pessoas podem escolher uma porta e enviar uma carta ficando a mesma disponível para leitura publica e partilha. Em todas as exposições do projeto as cartas recebidas são exibidas e podem ser recolhidas pelos visitantes.

Parte do projeto consistia na escolha de uma das portas para escrever uma carta. Conseguiu que todas as portas fossem “ocupadas” com mensagens? Que nomes participaram no projeto?

A maioria das portas ficaram ocupadas, cerca de 80%, embora seja um número em constante mudança porque vou acrescentando, sempre que posso, portas novas. Uma vez que é um projeto aberto ao publico não conheço a maioria das pessoas, mas de entre as que conheço tem nomes como como a Susana Albuquerque ou o Marco Dias da publicidade, da música como é o caso do Sr. Vulcão, e muitas outras pessoas das mais variadas áreas como a Psicologia, Design, MKT, História, etc

Será agora a vez de lançar um livro sobre o projeto. Fale-nos um pouco do que podemos encontrar neste livro.

O livro trata-se de um registo fotográfico centrado na palavra CARTAS, que se encontra já muito perdido, mas ainda presente em algumas portas espalhadas por este país. A esse registo juntei-lhe a captura não só da estética das portas, mas também a recolha de formas tipografias e cores encontradas nessas inscrições. Talvez por ser designer de formação nunca me consigo alhear de uma visão pormenorizada destas marcas gráficas.

Para além do Envia-me Cartas, já foram desenvolvidos projetos posteriores, também de fotografia, a retratar as campainhas. O conceito é o mesmo? O abandono de alguns locais e voltar a dar-lhes vida?

Sim, foram desenvolvidos outros projetos que fazem parte da trilogia fotográfica A Cidade Está Deserta. No primeiro livro – Envia-me Cartas – explora-se a nostalgia dos objetos que perderam o seu significado original (tampas com inscrição CARTAS); no segundo volume – Em Tua Pele – visitam-se as diferentes manchas, cores e texturas que cobrem as ruas (Paredes/Azulejo); e no terceiro volume – Ninguém em Casa – confronta-se o silêncio do primeiro contacto (Campainhas).

Como tem o público reagido a estes projetos?

Para mim é difícil fazer essa apreciação, mas tenho recebido reações muito positivas e vários convites para expor. O balanço é extremamente positivo e gratificante.

Entrevista: Magnética Magazine
Fotografia: Raul Reis